domingo, 24 de maio de 2015

Postais da Costa Nova - Varandas - 3

-
O arquivo do Dr. Paulo Horta Carinha é um espólio, a todos os títulos, notável, um baú sem fundo, que aprecio e comento sempre que me apraz.
Mas, ontem, esta imagem de uma varanda enfeitada com uma dúzia de mirones, em contemplação da ria e da azáfama piscatória, quiçá, seduziu-me. Apoderei-me dela, com ordem, – a varanda da Pensão José das Hortas, na Costa Nova, em 8 de Julho de 1936.

Varanda de ontem…

Ao guardar a imagem no ficheiro em que a incorporei, não é que ficou não encostada a esta outra, recente, com um grupo de amigos que se prepara com deleite para ver passar a procissão da Nossa Senhora da Saúde, em 29 de Setembro de 2013? Outro estilo, outras modas, outras roupagens, outras atitudes. Quase oito décadas as separam.

Varanda de hoje…

Não há dúvida, as pessoas passam, mas as cenas vão-se repetindo.
Sempre foi esta uma das grandes atracções das varandas da Costa Nova – um voyeurismo franco e aberto relativamente a tudo quanto passa e nos deslumbra, desde as serranias longínquas em declive, a Senhora da Maluca estilhaçante num pôr-do-sol resplandecente, a beleza da ria prenhe ou descarnada, a procissão da Senhora da Saúde, ou simplesmente, quem passa a passear ou a mercar. Se valer a pena, nada como rapar do binóculo de bordo do meu Avô…
Nada mau. Um entretém em cheio, desde que o tempo ameno o permita.
Foi assim com a minha Avó, com a minha Mãe, comigo! – Será que vai prosseguir?
Os deuses adivinhá-lo-ão.
Quase que dá para listar aqueles que por ali passaram e já não passam. Até que, algum dia, algum passante venha a dar pela minha falta na minha varanda virada para a ria…
-
Fotos cedidas por PHC e por MEPC.
-
Ílhavo, 24 de Maio de 2015
-
Ana Maria Lopes

sábado, 23 de maio de 2015

Varinas - Um símbolo de Lisboa


 
O Cinema São Jorge recebeu no passado dia 21 de Maio, pelas 21h30, na Sala Manoel de Oliveira, o documentário Varinas – Um símbolo de Lisboa. Lá assisti com muito agrado. Como é que uma ílhava não iria assistir? Nem pensem! Tive de lá estar. Há espectáculos que não se podem perder. Ainda para mais com depoentes, com quem convivo dia a dia – Márcia Carvalho do Museu Marítimo de Ílhavo, Luís Martins da Universidade Nova e Senos da Fonseca, entre outros conhecidos.
-
Como foi possível que a vendedeira de peixe da Beira Litoral, chegada a Lisboa no século XIX, se transformasse num símbolo da capital? O documentário Varinas – Um Símbolo de Lisboa narra a história da presença da comunidade (o)varina na cidade, leva-nos ao encontro das últimas varinas de Lisboa e mostra-nos o fascínio que esta mulher arrojada e desinibida, deixou no imaginário alfacinha. 

Ílhavas.Vendedeira de Sardinha.
Gravura de Joubert
-
A estrutura do documentário insere-se no levantamento de Memórias da cidade de Lisboa, assente no projecto de investigação sobre as Varinas realizado pelo Departamento de Património Cultural da Câmara Municipal de Lisboa. Iniciado em 2013 com o registo de testemunhos orais das últimas varinas de Lisboa, considerando a sua urgência e pertinência para memória futura, seguiu-se uma ampla investigação interdisciplinar. Esta assentou em fontes documentais, gráficas e audiovisuais que permitiu conhecer esta comunidade, as relações entre si, os seus quotidianos, bem como a varina enquanto figura popular, mulher trabalhadora e mãe, cuja liberdade na linguagem, costumes e atitudes na rua cedo captaram variadas atenções, convertendo-se, por mérito próprio, em símbolo da cidade de Lisboa.
-
A sua postura afirmativa e despida de preconceitos, espartilhos ou convenções, o seu caráter desinibido e irreverente, visível no espaço público, surge num contexto onde este era ainda de domínio masculino. A dimensão e atitude desta comunidade (o)varina marcaram de forma indelével a cidade, atribuindo-lhe um novo fácies, onde os seus costumes e tradições foram a marca de uma identidade que atravessou a centúria de oitocentos e veio a dissipar-se ao longo da segunda metade do século XX, envolta numa melancólica saudade da figura que animava e perturbava a pacatez da Lisboa ainda rural.
-
O documentário contou com a participação de Senos da Fonseca e Márcia Carvalho do Museu de Ílhavo, José Garcia e Delminda Rijo do Gabinete de Estudos Olisiponenses, António Miranda do Museu de Lisboa, Maria de Aires Silveira do Museu de Arte Contemporânea do Chiado, Gonçalo Gonçalves e Pedro Prista do ISCTE – IUL, André Fernandes e Luís Martins da Universidade Nova e Sofia Tempero do Departamento de Património Cultural da Câmara Municipal de Lisboa. Através do corpo de depoimentos destes convidados, o filme aborda as vivências desta comunidade, desde o seu «berço» na laguna de Aveiro até ao momento do desaparecimento do mercado da ribeira em Lisboa.
-
Vendedeiras de mercado. Aguarela de A. De Souza

Adorei assistir, considerei o documentário bastante bem conseguido, sobretudo no que diz respeito àquele movimento aguerrido e inquieto das varinas da capital, ao longo dos tempos.
-
Relativamente à participação ílhava, é claro que nos deixa sempre uma pontinha de vaidade, ao vermos e ouvirmos «artistas» da nossa terra a actuarem em cenários que nos são tão familiares – Senos da Fonseca, em passeio lagunar, num belo dia de sol, a bordo do moliceiro «Pardilhoense», timonado pelo seu arrais e amigo Miguel Matias e Márcia Carvalho, do Museu Marítimo de Ílhavo, tendo como pano de fundo a «nossa bateira ílhava». Sinceramente, gostei. É um pouco da ria de Aveiro (de Ovar, da Murtosa de Estarreja, de Ílhavo) que as varinas de Lisboa foram mantendo na sua «guelra» e na sua presença, através de gerações.
Foram muito acarinhadas e ovacionadas três das últimas varinas, ainda presentes na sala e artistas no documentário.
Tive a informação de que o documentário deveria vir a passar, pelo menos, em Ílhavo e em Ovar. Vamos a isso! Para revermos e para que seja mais acessível aos «ilhavos locais».
-
Fonte – Arquivo Municipal de Lisboa (Videoteca)
-
Ílhavo, 23 de Maio de 2015
-
Ana Maria Lopes
-

quarta-feira, 13 de maio de 2015

UMA JANELA PARA O SAL

-
No próximo sábado, dia 16 de Maio, pelas 18 horas, integrado nas comemorações do Dia Internacional dos Museus, a Alêtheia Editores convida-vos para o lançamento do livro Uma Janela para o Sal com texto de Ana Maria Lopes e Etelvina Almeida e fotografia de Paulo Godinho.
-
A obra será apresentada por Senos da Fonseca.  

Convite

Referem as autoras, na contracapa do livro, em sinopse:
-
E finalmente, se abre uma janela para o sal...
Fruto de um antigo propósito, o de trazer à luz e à escrita um acervo de imagens das salinas, recolhidas nos anos 80, alusivas a um património que se tem vindo a extinguir, repescaram-se apontamentos não só imagéticos, mas também escritos e confirmados no local, que agora renascem das lamas negras das marinhas e dos brancos cristais desses tempos, trazendo a saudade e o labor de outras fainas.
E assim se retomou a «safra» e se verteu sobre o papel a escrita que os aguardava. E, a outros olhos, outros pensares, em duplo sentir, suavemente se foi tecendo homenagem a uma profissão, actividade e tradição, a do marnoto, que já morre na alma de muitos, porque os que a lembram já poucos são.
-
Trata-se de um património que faz parte da identidade de uma região que bem aconchegava esta actividade no seu seio, tal foi a sua importância desde sempre.
-
Acompanhou-se, registou-se, descreveu-se e contou-se, «cantando» e exaltando o homem do sal, que foi, é, e será o único sabedor e conhecedor de tão árduo trabalho, o de amanhar a marinha, desde a rudeza à beleza do sal.
-
Com a percepção de que se trata de uma maneira diferente de abordar o sal lagunar, com alguns laivos poéticos, fomos escrevendo esta pequena monografia Uma Janela para o Sal, acrescentando frescura ao tema e enaltecendo o Homem, o território lagunar e as marinhas. É aprazível, esclarecedora e sedutora, quer para um leitor conhecedor, quer para um leitor interessado.

Capa do livro


Amigos/as, compareçam no Museu Marítimo de Ílhavo, para darem uma espreitadela para o sal. Não se arrependerão.

Ílhavo, 13 de Maio de 2015

Ana Maria Lopes
-

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Moliceiro «São Salvador» - que destino?

-
Assisti ao nascimento do moliceiro São Salvador, em 2010, em Pardilhó, no estaleiro do Mestre Esteves. Que alegria… mais um, em tempo de penúria… destinado à Junta de Freguesia com o mesmo nome, em Ílhavo.

Novinho em folha, em 2011. AML

Só que o seu destino não lhe viria a trazer grandes augúrios. Depois do bota-abaixo, acostado pomposamente na Folsa dos Coquins, na Gafanha de Aquém, estava-se mesmo a ver que aquela construção não iria dar em nada. Mais tarde, entregue à Associação Aquém Renasce, a mesma, por inerentes dificuldades, também não conseguiu retirar-lhe grande usufruto.
Passou por alguns momentos altos dentre os quais saliento a participação em Regatas da Ria e do S. Paio e numa exibição do Oudinot à Costa Nova, em 2013, em dia de nortada forte. Que adrenalina!

Regata do S. Paio, em 2011. AML.

Mais altos ainda, foram os primeiros lugares conseguidos nas regatas de 2012 e 2013, às mãos do hábil arrais da Torreira, Marco Silva, velejador de têmpera rija.

Exibição do Oudinot à Costa Nova. 2013. Ah.cravo

Em 2014, já não participou. Dava sinais de decadência, sempre «enterrado» na Folsa dos Coquins. Seria a morte anunciada, alagado, com sinais evidentes de degradação.

São Salvador, em Abril de 2015

Começou a constar que a actual Junta de Freguesia pretendia desfazer-se do barco, por não suportar os custos de manutenção a que conduzia.
-
Segundo o Diário de Aveiro de 4 de Abril de 2015, foi promovida uma hasta pública, ao final da tarde da passada quinta-feira, pela Junta de Freguesia de São Salvador para vender o seu moliceiro, que ficou deserta. A autarquia liderada por João Campolargo com intenção de recuperar algum do dinheiro já gasto com a sua aquisição (pelo anterior Executivo) e manutenção, decidiu avançar para uma nova hasta pública.
-
«Juntamente com o nosso advogado, e na próxima semana já poderemos dar nota pública de qual o procedimento que iremos tomar», referiu ao Diário de Aveiro, João Campolargo. O autarca reconhece «que a opção mais viável continua a ser a venda, uma vez que «manutenção do barco no nosso Canal do Boco não é viável, até pelas condições do próprio canal, além de que o moliceiro exige a existência de um arrais e a Junta de Freguesia não consegue dar essa resposta», especificou ainda o autarca».

O mesmo jornal de 26 de Abril de 2015 informa que depois de uma primeira tentativa que saiu gorada, vai voltar a hasta pública a 4 de Maio, no auditório da Junta, pelas 19 horas, o moliceiro São Salvador. O preço desceu de 11 000 € para 3 500.

Estando a vida dos ditos moliceiros tradicionais tão difícil, admiro que não apareça nenhum operador turístico interessado. Pelos cortes e adulterações a que são sujeitas as embarcações para navegarem num canal povoado de várias pontes, não sou muito adepta da transmutação, mas é uma realidade.

E tenho uma percepção, pelo que vejo, sempre que frequento Aveiro, que a via turística é «uma galinha de ovos de ouro». Será?
As imagens comprovam-no, em fim-de-semana de Páscoa. Claro, nem sempre é assim! Pseudo-moliceiros em fila, mas é-o com muita frequência.
 


No Canal Central, em Aveiro. De Alberto Cardoso
-
Grata pela cedência pelas fotografias creditadas.
-
Ílhavo, 30 de Abril de 2015
-
Ana Maria Lopes
-

sábado, 25 de abril de 2015

Rotas lagunares - o mercantel no carreto

-
Se bem que ao falar do mercantel ao serviço do transporte de sal (saleiro), do peixe e de passageiros, sempre cargas, vamos acabar a missão do mercantel como «o burro de carga da ria», no carreto de tudo e de mais alguma coisa.
Já desde 1693 data em que por alvará régio concedido por D. Pedro II, começou a ter lugar todos os dias 13 de cada mês, a Feira da Vista-Alegre vinha dos mais variados pontos da ria, mensalmente, uma imensidão de barcos alimentando com produtos transportados no seu bojo a intensa actividade das trocas que se faziam na referida feira, uma das mais importantes da região. Visitavam aquele sítio do canal do rio Boco, não só gentes das regiões vizinhas, como também, estranhos interessados na quantidade de produtos. Além do sal e do peixe, na «Feira dos Treze» havia uma grande diversidade de produtos: lenha, animais, tecidos, artigos de artesãos locais, tamancos, gabões, arados, que justificavam grande procura. A maioria destes produtos, usava os mercantéis, pelo canal do rio Boco, para seu transporte.
Desde 1824, no mesmo local onde se realizava a feira, nasceu e foi implementada a Fábrica da Vista-Alegre.*
Para os seus fornos eram trazidos toros com muita frequência, mas o caulino utilizado na produção da porcelana, vinha de Ovar, pela ria, sempre que a necessidade obrigasse. Os objectos de barro ovarense também se vendiam muito pela região, quer na feira dos 13, quer em outras situações.

Após 1824, descarga nas traseiras da Fábrica da VA

Vinhos, trigo, cereais, ervagens, gado materiais artesanais, tudo, os mercantéis transportavam, em rotas lagunares.
Na Gafanha da Nazaré, o carregador lagunar servia para tudo. Além de transportar madeiras e operários para os estaleiros, transportava bacalhau de navios mais afastados para o cais, junto às secas, junco, lamas para as marinhas, sacos de lona com as roupas dos tripulantes de navios de bacalhau. Vi, realmente visto, à chegada do n/ motor Novos Mares, depois de o ter ido receber e filmar à boca da barra, na campanha de 1964, atracarem a bombordo e a estibordo, dois mercantéis, para os quais eram descidos os tais sacos de lona que seriam distribuídos, muito mais rapidamente, pela Torreira, Bico da Murtosa, Bestida, Pardilhó, Válega, Ovar.

Gafanha da Nazaré – transportes diversos

Pedra para a construção do afamado «triângulo» na entrada da barra, pelos anos 30 de século XX, os mercantéis, de costado bem no fundo, lá a suportavam.
 
Barra – Transporte de pedra para o triângulo

De Ançã e, sobretudo, de Eirol – pedra de Eirol, presente nas obras da barra, diversos monumentos, muralha de Aveiro, Farol e quejandos, mais uma prova fotográfica curiosa.

Eirol – Ponte da Rata

E, por ora, f1quemos por aqui…já chega. Outra rota diferente se seguirá, a seu tempo.
-
Nota *Sobretudo relativamente a este assunto, foi consultado o livro de Senos da Fonseca, Ílhavo – Ensaio Monográfico Séc. X ao Séc. XX, pp. 215-216.
-
Postais e algumas fotos retiradas do Google e outras cedidas por amigos
-
Ílhavo, 25 de Abril de 2015
-
Ana Maria Lopes
-

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Rotas lagunares - de passageiros

-
O mercantel foi a barca, por excelência, de transporte de passageiros, a partir do século XV, entre os diversos centros urbanos, entre os quais não havia ligações terrestres. Inês Amorim, in Aveiro e sua Provedoria no século XVIII, refere um extenso número de locais onde havia barca da passagem – Serém, S. João de Loure, Lamas do Vouga, Pessegueiro do Vouga, Almiar, Óis, e Aguada, isto no interior dos rios. No litoral, para lá da carreira Ovar-Aveiro, refere Soza e Pedricosa.
-
É bastante conhecida uma gravura de mercantéis no Rossio, em Aveiro, datada de 1877 que tiveram o seu auge até meados (sétimo decénio) do século XX.

Aveiro, no Rossio, em 1877

O último mercantel construído pelo Mestre Lavoura, em Pardilhó, para serviço, foi em 1973. Em 2001, o Mestre Esteves, também de Pardilhó, construiu o último mercantel tradicional, para exibição na Sala da Ria do Museu Marítimo de Ílhavo.
De Aveiro para Ovar e vice-versa, havia carreiras diárias de mercantel, durante a noite, que eram das mais importantes, custando o preço da viagem Ovar-Aveiro, a quantia de 100 réis.
Como a viagem era longa e pouco confortável, mesmo à chuva e ao frio, de Inverno, havia quem alugasse a proa, por um preço mais elevado, se ainda não estivesse reservada.
Com irregularidades no cumprimento de horários e  preços tão elevados, o Governador Civil de Aveiro (em 1854) chegou mesmo a intervir no assunto.

Algures, na ria, com passageiros

Com saída de Ovar, em 1843, havia diversos fretes de mercantel, com destino à Torreira, a S. Jacinto, a Aveiro, a Águeda e à Costa Nova, sendo este de ida e volta, com preços diversos, em estação alta e baixa, bem mais elevados que a barca da carreira. 

Transporte lagunar, em Aveiro, século XIX

Claro que a curta travessia, que nos meus tempos de rapariga me era mais familiar era a passage da Costa Nova para a Gafanha da Encarnação e respectivo regresso. Frequentando a escola primária, à época (em 1951), na, então, 3ª classe, na Costa Nova, até o exame me obrigou a ir prestar provas à Gafanha da Maluca, de barca. Que satisfação! E com que saudade o recordo!
 
Costa Nova. A nova MOTA. 1941

Não quero concluir sem referir que os mercantéis chegaram a transportar passageiros reais:
-
A rainha D. Maria II, aquando em visita ao norte do país, deslocou-se do Carregado (Ovar) a Aveiro, com o seu séquito, em cinco mercantéis, primorosamente decorados, em 23 de Maio de 1852.
-
Foi também em mercantel feito bergantim real, que D. Manuel II, em 1908, em visita a Aveiro, se passeou, em visita à barra, conforme documentam as fotografias da época, in D. Manuel II e Aveiro, de Armando Tavares da Silva, publicado em 2007.

Séquito de D. Manuel II, em 1908

Fotos retiradas do Google e cedidas por amigos
-
Ílhavo, 17 de Abril de 2015
-
Ana Maria Lopes
-

segunda-feira, 6 de abril de 2015

De passagem pela Gafanha...

-
Em vésperas de Páscoa, visitei o amigo Marques da Silva, em sua casa de férias, na Gafanha da Nazaré, para ver o estado de adiantamento da obra que iniciara pelo Natal – um modelo de um bote de meia quilha do Tejo.
Construído por plano geral do Museu de Marinha da autoria de J. Barros, de 1941, à escala de 1:25, obedecia a todos os pormenores.
De registo B1520TL, de nome NOVA ELIZA, pintado nas caras brancas de bombordo e estibordo, usava, normalmente, a reboque, uma chata de serviço.
Aproveitei a ocasião de estar ainda em madeira, para fixar para a posteridade, antes da pintura, a sua beleza construtiva.
Além da vela, uma perfeição e uma riqueza de pormenor, MS vai preparando o aparelho para levantar a carangueja e poder determinar o respectivo painel. Uma obra de arte que as imagens, melhor que as palavras, evidenciam. Uma beleza!
Em estaleiro, sobre os planos de construção
Vista de convés de vante
Pormenor interior de
Pormenor de leme de cana
Espero com confiança que, depois da pintura, lá para o Verão, possa fazer outra sessão fotográfica «de estúdio».
Esta espécie de embarcação, já inexistente, foi das mais belas e rápidas que navegaram no Tejo, destinada ao transporte de carga e até de passageiros, dada a sua leveza.
Fotos – Da autora do blogue
Ílhavo, 2 de Abril de 2015
Ana Maria Lopes