domingo, 3 de junho de 2018

Homens do Mar - Fernando Lau - 47

-
Capitão Fernando Mathias Lau
-
Há muito que a história do «fora ou dentro» me bailava na cabeça, mas como sabia que ela vinha de um capitão pescador, dono de um feitio muito duro e austero, tinha de me certificar como a Família encararia esse reconto, sujeito a publicação no meu blogue Marintimidades. Faz quase um ano que, no intervalo de um evento levado a cabo na ENIDH, em Paço de Arcos, estive com o neto homónimo deste capitão, Fernando Matias Lau, meu amigo, pessoa dos meus tempos e também ele oficial da Marinha Mercante. A história veio a lume e apercebi-me que o Fernando cultivava a memória do avô, do que o caracterizava de bom e de menos bom, dizendo-me que talvez, além de umas fotografias, se propunha a umas conversas comigo, para meu enriquecimento, contando-me alguma das brejeirices dele, que ele tão bem sabia, contadas pelo seu pai, à mesa, enquanto saboreavam o repasto. E uns bons dez meses se passaram… Vimo-nos, no Verão, na Costa Nova, mas não falámos propriamente disso. Outras águas…
Além de outros laços afectivos com o Fernando, os seus pais, em circunstâncias diversas, tinham sido meus professores do ensino primário, nas segunda e quarta classes, na dita Escola Nova, à época, em Ílhavo.
Noutro dia, vindo em «missão de soberania», ao MMI, com alguns colegas do Clube de Oficiais da Marinha Mercante (COMM), encontrámo-nos e trouxe-me duas fotos de 1937, que me encantaram pela sua autenticidade, e projectámos, para além dos elementos de que me conseguia munir por cá, uma ida ao Arquivo Histórico de Marinha, em Lisboa. Ser-me-ia praticamente impossível testar, os seus primeiros anos de mar, devido à data de seu nascimento, mas a partir do posto de capitão, as coisas seriam mais fáceis, depois de consultadas várias fontes.
Fernando Mathias (mais tarde, Matias) Lau, filho de Manoel Matias e de Josefa Rosa Esmerada, nasceu em Ílhavo, na Freguesia de S. Salvador, a 4 de Janeiro de 1881. Dos capitães mais antigos, no tempo, que me têm passado pelas mãos. Do casamento com Maria das Neves, em 1909, nasceram três rapazes e uma rapariga. Dos três rapazes, Armando Matias Lau veio a ser oficial da Marinha Mercante, Mário Matias Lau, motorista, e José Carrancho Lau, professor do ensino primário, bem como a irmã, Berta das Neves Lau. Com a cédula nº 3347 passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 5 de Fevereiro de 1895, teria ido para o mar com 14 anos, como a maior parte dos jovens do seu tempo, que assim o faziam entre os 9 e 14 anos de idade.
A partir do momento em que chegou a capitão, na sua carreira marítima, e antes da existência do jornal O Ilhavense (1921), das fichas do Grémio (GANPB), (1936) e das fichas de inscrição de navios enviados ao bacalhau, de 1934 a 62, os elementos foram encontrados em blogues e livros credíveis, que citarei a seu tempo.
A primeira vez que deparo com o seu nome, é no livro da autoria de Manuel Luís Pata, A Construção Naval e a indústria bacalhoeira na Foz do Mondego, em edição de autor, 2016, Figueira da Foz, pp. 65 a 76. Num resumo do Diário Náutico de 1906 do emblemático hiate Júlia 3º, sob o comando de Fernando Mathias Lau, levando como imediato João dos Santos Salgado, pelo punho do piloto praticante Adriano Alves Fernandes Águas, é-nos dada conta de uma viagem de 22 de Abril de 1906 até 14 de Setembro de 1906, perfazendo, no total, 48 dias de navegação à vela. Nas safras seguintes, nos anos de 1907 a 1909, essa rotina repetiu-se.
-
Hiate Júlia 3º. Colecção Delfim Nora/Napesmat
O hiate Júlia 3º foi construído em Fão, por J. M. G. Branco em 1876, de que existe a última referência em 1927, para a firma Mariano &Irmãos, mais tarde Atllântica Companhia Portuguesa de Pesca, com sede na Figueira da Foz.
Na campanha de 1910, o blogue Navios e Navegadores dá-o como capitão do lugre Júlia II, enquanto que Manuel Luís Pata (MLP.), em A Figueira da Foz e a Pesca do Bacalhau, vol. I., p. 97, lhe atribui o cargo de capitão no lugre Júlia I.??? Como terá sido?
Nas campanhas de 1911 a 1914, inclusive, o capitão Fernando continuou a exercer o comando, no lugre Júlia I, a que volta, na safra de 1918, conforme consulta do livro de Manuel Luís Pata, atrás referido, a pp. 98, 99 e 116.-
O lugre Júlia I. Cedência de Reimar
Entretanto, a Atllântica Companhia Portuguesa de Pesca, com sede na Figueira da Foz, mandou construir o lugre Júlia Quarto, ao mestre António Maria Bolais Mónica, num estaleiro da Figueira. Depois do lançamento à água em 4 de Outubro de 1914, fez a sua primeira campanha em 1915, comandado pelo capitão Fernando Matias Lau, de 34 anos e natural de Ílhavo, segundo informação de MLP., no seu livro já citado A Construção Naval… p. 93. Teve o prazer de estrear o navio, o que é sempre uma honra.-
Lugre Júlia Quarto. Foto de autor desconhecido
-
E entre os anos 1906 e 1918 (treze anos), com um pequeno interregno em que comandou o hiate Africano, entre 1916 e 17, pertença da Parceria Marítima Africana da Figueira da Foz, o «nosso» capitão, austero e de ríspido feitio, foi um herói dos Júlias da Figueira da Foz, propriedade da Atllântica Companhia Portuguesa de Pesca. 
No ano de 1919, não foi possível localizá-lo, mas em 1920, ressurge na praça de Aveiro, no comando do lugre Altair.
Qual era este Altair? Lugre de madeira de três mastros, construído para a Companhia Aveirense de Navegação e Pesca, por Manuel Maria Bolais Mónica, em 1918, na Gafanha da Nazaré. Num belo dia de busca de imagens em Testa & Cunhas, já há uns anos largos, veio-me à mão, no fundo de uma gaveta, nem sei muito bem porquê, uma sugestiva imagem, identificada –  era o lugre Altair.
Altaneiro…o Altair. De autor desconhecido.-
E a odisseia continua…. Entre 1921 e 1930, estreando-o, comandou o lugre Infante de Sagres III, construído para a Sociedade Infante de Sagres, Lda., por Manuel José Calção, em 1921, na Gafanha da Nazaré.  Nesta época, revela-se também o espírito empreendedor do capitão Fernando, em tempos difíceis, ao ser armador, sob a Firma Martins, um dos três gerentes da referida sociedade, juntamente com o prior Alberto Ferreira Martins, da Gafanha da Nazaré, e José Maria da Silva. Com o lugre Luzitânia III, foram os primeiros navios a instalar motor para a campanha de 1932.
Nestas viagens, foram seus pilotos, de Ílhavo, Manuel Lourenço Catarino (1921), António dos Santos Carrancho (23), Ambrósio Gordinho (26) e Augusto dos Santos Labrincha (27, 28 e 30) e Manuel dos Santos Malaquias (1929).
O seu filho, o jovem José Lau, embarcou com o pai, como moço, quando tinha apenas onze anos comemorando o seu aniversário a bordo, o que era normal para quem queria seguir o caminho do mar, o que não veio a verificar-se, pois sofria de bronquite asmática sendo aconselhado pelo médico a não embarcar mais, dada a perigosidade.
-
O lugre Infante de Sagres III, em bom andamento. Foto do C. Almeida
-
Sem registos entre 1931 e 33, volta a capitão nas safras de 1934, 35 e 37, no mesmo Infante de Sagres III, depois de ter passado para a Empresa de Pesca do Bacalhau do Norte, da praça do Porto, nesse mesmo ano. Levou como seu piloto, o irmão, Amândio Fernandes Matias, de alcunha Parracá, e, como motorista, o seu filho Mário Matias Lau.
Na viagem de 1937, a bordo do seu navio Infante de Sagres III, estalou uma revolta, ao que se consta comandada pelo irmão que ocupava o lugar de piloto, liderando a vontade dos pescadores de iniciar a viagem de regresso a Portugal. Dada a situação e porque o Gil Eannes iria zarpar para Portugal, o Capitão de Bandeira – Comandante José Martins – chamou o capitão Fernando  para ver se o demovia a terminar a pesca pois iria ficar sozinho nos bancos e se sucedesse algo não teria quem o socorresse, ao que ele retorquiu perguntando se era uma ordem ou um pedido, afirmando o Comte José Martins que era um conselho, pois ele era soberano no seu navio para as decisões que melhor entendesse.
Comte José Martins e o cap. Fernando, a bordo do Gil Eannes, em 1937
-
Nessa altura e voltando ao navio decidiu adiar a viagem de regresso por mais uns tempos, iniciando-a passado um par de dias, pois o mau tempo e as capturas fracas assim o justificavam.
Mas a sua disciplina, com uma companha difícil – se não houvesse uma mão dura, poderia gerar-se uma situação complicada – não podia ser posta em causa, sob pena de ser «engolido». Mas a resposta, na sua visão, não se ficou por aqui. Após os normais 15 dias de viagem de regresso aportou à barra de Aveiro e quando o rebocador se dirigia para fora da barra para pegar no navio, decidiu rumar para oeste não permitindo que se consumasse a entrada, o que sucedeu, passados uns dias à boca da barra, não sem avisar a mulher que não se preocupasse pois entraria quando entendesse. Era a sua visão de como lidar com a disciplina.
O lugre Infante de Sagres III, no Porto. Foto de A. Villiers
-
E, de saco às costas com o enxoval, lá mudou para o último navio da sua vida, na safra de 1938 – o lugre com motor Delães, que teve o prazer de inaugurar, de que dizia, quando alguém, de bote, o transportava, mais tarde, já doente, para o Gil Eannes:  Ah, Delães, Delães, até o teu rolo já é diferente.
-
O lugre com motor Delães, com pintura dos anos 40
-
O belo lugre com motor, de madeira, Delães, navio gémeo do Oliveirense, foi construído para a Empresa de Pesca do Bacalhau, do Porto, por António Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, em 1938. Foi esta a sua última viagem, neste navio, após um grave acidente em que a ponta do chicote lhe apanhou brutalmente as costas, originando uma enfermidade de que não mais se libertou, tendo mesmo regressado, por conselho médico, mais cedo, para Ílhavo. E não durou muito tempo. Conforme notícia do jornal O Ilhavense, de 23 de Dezembro de 1939, com 58 anos de idade, faleceu na sua casa da rua Vasco da Gama, após grande sofrimento, desde as paragens da Terra Nova, onde foi recolhido pelo vapor-hospital Gil Eannes, o oficial Fernando Matias Lau, que na última viagem, tinha ido à pesca, como capitão do Delães. Foi sempre um oficial arrojado e a isso se deveu a circunstância de, em muitos anos, trazer sempre bons carregamentos de peixe.
Para atestar o seu espírito empreendedor, o seu neto homónimo confirmou-me que, além de sócio/gerente da Sociedade Infante de Sagres, Lda., na Gafanha da Nazaré, foi accionista do Banco Regional de Aveiro,  da Fábrica da Moagem de Aveiro, criou a Sociedade de mercearias Lau & Filhos sediada na R. Comandante Rocha e Cunha em Aveiro, dirigida pelo seu filho Armando Lau, proprietário de duas marinhas de sal a Robalinha e a Afogada e sócio da Sociedade Ilhavense Turuna, Lda., dedicada à construção de navios e comercialização de bacalhau.
Dentre as suas «estórias» que revelam um feitio duro e rígido, a mais famosa será a «do fora ou dentro». Um dia, durante uma das suas últimas viagens, a tripulação revoltou-se. Tendo-o amarrado de pés e mãos, prestes a baldeá-lo, mantinham-no sobre a borda, como ameaça de o deitar ao mar. Hesitavam… O velho capitão, num golpe de audácia:  Vamos, rapazes. Isto não é posição de homem. Ou fora ou dentro, aqui não estou bem. Surpreendidos e dominados pela coragem do velho, os homens abrandaram e puseram-no dentro.
Mas outras se conhecem. Uma das histórias que lhe é atribuída é a que tem a ver com a sua áurea de destemido e afoito na faina da pesca.
Assim num dado momento após vários dias de mau tempo os capitães estavam indecisos sobre o momento de começar a arriar os dóris para iniciar a safra desse determinado dia.
Então, ele colocando um vertedouro debaixo da samarra, dirigiu-se à proa atirando o referido vertedouro ao mar, alertando a tripulação, imediatamente, para arriarem um dóri a fim de o apanhar.
Os outros capitães que estavam à espera que algum tomasse a dianteira e vendo o capitão Fernando a arriar, logo lhe seguiram o exemplo. Alguns minutos após, o mar começou a encapelar acusando-o de ter dado inicio à pesca ao que ele respondeu que não somente tinha arriado o bote para apanhar o referido vertedouro. Era a concorrência a funcionar.
Mais um naco de conversa entre mim e o Fernando: –  O meu avô era uma pessoa que adaptava a sua personalidade às diversas circunstâncias, sendo, a bordo, uma pessoa muito dura, mas, em contrapartida, em casa era exactamente o contrário, tratando a minha avó com uma ternura e carinho inexcedíveis ao ponto de diariamente, com a minha avó, à janela, a vê-lo partir na sua bicicleta para a Gafanha despedia-se dela com a seguinte frase: – Ah, Marquinhas, já estou cheio de mavio – vocábulo esse que significava um misto de amor e saudade.
De outra vez, a bordo, acolheu e recolheu, em dia de nevoeiro cerrado, um verde de outro navio, que veio ter ao seu navio, com o bote carregado. Içou-o, agasalhou-o e elogiou-o, chamando os seus homens, a quem disse: – Ó seus galiqueiros, estão a ver o que este verde pescou e o que vocês carregaram, leve que nem uma alface?
Como outros tantos ílhavos, o Cap. Fernando Lau ficou imortalizado pela pena de Santareno, em Nos Mares do Fim do Mundo, pondo estes registos na boca de pescadores mais antigos. Depois de já se ter referido também à história do «fora ou dentro», voltou à questão da morte.  O ti Zé da Avó juntou: – Morreu há poucos anos ainda, senhor doutor, lá em Ílhavo. Tinha uma nascida ruim que, palmo a palmo, o foi minando todo… O alma do diabo dava urros que se ouviam lá longe, na estrada de Aveiro! Bem feito, bem feito (…). Vi, vi eu, com estes dois que a terra ou o mar há-de comer! Durante três dias e três noites, antes de ele morrer, os corvos, um bando de dez, pelo menos!, não lhe desamparam a casa: nem os gritos, nem as pedras, nem os foguetes foram capazes de os tresmalhar. Sempre ali, cerrados, a voarem como doidos em redor do prédio! (…).
E o pobre do Delães, talvez pela falta do seu capitão, também não durou muito mais, soçobrando ao bombardeamento de 1942, sem perda de vidas.
Ílhavo, 29 de Março de 2018
Fotos com várias origens, incluindo as do neto Fernando Lau
Ana Maria Lopes
-