quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Homens do Mar - Armindo Simões Ré - 26

-
Capitão Armindo Simões Ré. 1950
-
Sempre conheci as quatro filhas do Sr. Capitão Armindo Simões Ré, mas deram-me, por conselho, que a mais amante das memórias materiais e imateriais do Pai, seria a mais nova, a Arminda, e uma neta, a Fernanda, que reside em Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel, Açores.
Estabelecido o contacto telefónico, passou-me a ser mais fácil ir a Ponta Delgada (via virtual) do que, ali, à dita Avenida dos Capitães (onde sobram dois ou três), nº 83-85.
Para além disso, também percebemos, ambas, que o afecto que ela tivera por seu Avô, teria existido comigo, relativamente ao meu. Coisas da vida, no mundo dos afectos…
E tem vantagens, porque a Fernanda é de Física, trabalha no Instituto Português do Mar e da Atmosfera e pode anunciar-me as «trabuzanas», que costumam deslocar-se dos Açores para o Continente.
O Sr. Capitão Armindo Simões Ré nasceu em Ílhavo em 20 de Agosto de 1907. Filho de Alexandre Simões Ré (1880-1967), também oficial da Marinha Mercante, e de Maria Nunes Vidal, casou com a Senhora D. Arlinda da Silva Ré, de quem teve as quatro filhas – a Maria do Rosário, as gémeas Arlinda e Maria e a Arminda.
Possuía a cédula marítima 18175 passada pela capitania do porto de Aveiro, em 20 de Fevereiro de 1923. Já não teria pertencido àquela geração em que iam prematuramente para o mar, mas a filha mais velha contou-me que o pai se referia que, em tempo de crise, teria embarcado como ajudante de cozinheiro, num navio em que o Pai andava. Tudo muito vago, mas daí a justificação para ele ser uma pessoa muito hábil na cozinha.
Teria sido? Talvez… Nada de muito inédito.
Outra referência – através de correspondência que me foi facultada – apercebi-me que em 1928, andou embarcado no lugre Lídia, em serviço comercial, pertença do armador – José Joaquim Gouveia – Parceria Marítima Douro, Porto, entre 1918 e 1935.
Mais uma referência, também vaga – uma fotografia de um navio do comércio, MIRANDELLA, anotada no verso – recordação da entrada em Hamburgo, a 26 de Novembro de 1930.
-
O velho lugre de madeira Argus, em 1934
-
Bem, desde que tive acesso a fontes credíveis, o Sr. Armindo Ré fez as campanhas de 1933 a 38, no dito Argus velho. Este Argus, lugre de madeira, construído na Inglaterra em 1873 para a Parceria Geral de Pescarias, mais tarde, na firma Veloso, Pinheiro & Ca. Lda., da praça do Porto, passou a ser o Ana Maria. Foi o seu piloto, sob o comando de Francisco da Silva Paião (33, 34, 35 e 36) e Alexandre Simões Ré (37). Passou ao seu comando em 1938, levando como piloto, Alexandre Simões Ré. Inverteram-se os papéis.
-
No velhinho lugre de madeira Argus, em 1936
-
E passemos ao lugre com motor, de ferro, Creoula, de 1937, o actual NTM, que todos bem conhecemos.
Nas campanhas de 1939 e 40, sob o comando de João Pereira Ramalheira (o Vitorino), Armindo Ré foi o imediato e Alexandre Ré, o piloto.
-
No Creoula, numa das viagens de 39 ou 40
--
Na imagem anterior, junto à roda do leme, Sílvio Ramalheira seguido de Adolfo Paião; à esquerda, Armindo Ré.
Nas campanhas de 1941 a 43, seguiu-se o Argus, o novo/velho Argus, de ferro, construído na Holanda, em 1939, imortalizado pela obra tripla A Campanha do Argus de Alan Villiers. O trio da oficialidade manteve-se. Em equipa ganhadora não se mexe – diz-se.
Mas o lugre-patacho Gazela Primeiro meteu-se de permeio e Armindo Simões Ré tornou-se capitão deste mítico navio.
Quem não o sente? Está longe, mas foi nosso, e comandado por capitães todos ilhavenses, ílhavos de rija têmpera, que sempre sonharam com o mar longínquo.
Nas safras de 1944 a 48, inclusive, exerceu, pois, o cargo de seu capitão, com o Pai, Alexandre Simões Ré, como imediato.
O Gazela, em 1900, foi completamente reconstruído em Setúbal, no Estaleiro J. M. Mendes, passando a chamar-se Gazela Primeiro. Passou a ser o maior navio da Parceria Geral de Pescarias e, de todos os navios da empresa, o Gazela Primeiro talvez tenha sido o mais famoso.
Em 1969 imobilizou na Azinheira e em 1971 o navio foi vendido ao Philadelphia Museum e mais tarde entregue a um grupo de amigos, que o vão preservando em perfeitas condições de navegabilidade.
-
O lugre-patacho Gazela Primeiro
-
Estamos perante um caso de fidelidade a uma empresa, até à data (quase de filho e Pai), quando, provavelmente, perante um convite da empresa Brites, Vaz & Irmãos, Lda., da praça de Aveiro, o nosso capitão foi buscar o navio-motor, de ferro, Vaz, à Holanda, onde fora construído, para o começar a comandar na campanha de 1949. E por quantos anos? 1950, 51 …etc., o que, inicialmente pensara, dezasseis campanhas, com mais cinco, noutra ficha biográfica, durante 21 anos. Até 1969. Uma vida de apego e sempre de sobressalto, já que sobre as salsas ondas, de quando em vez, alterosas.
Segundo informação do Jornal de Pescador, de Abril, p. 49 e Maio, p. 9, de 1949, tivemos conhecimento que o Vaz entrara no Tejo, a 19 de Março, onde estivera, embandeirado em arco, pronto para receber individualidades e outras visitas. O Sr. Capitão Armindo Ré, então com 41 anos, um dos mais hábeis e conhecedores capitães da Marinha Mercante nacional, interpelado pela imprensa citada, mostrava-se encantado com o navio, pela modernidade, conforto, velocidade, capacidade e equipamentos. Foi o seu navio. De imediato, nos anos de 1949, 50 e 51, foi Alexandre Simões Ré, que terá terminado, e não era sem tempo, a sua carreira de mar.
Nas restantes viagens, os imediatos ou pilotos, normalmente, não foram de Ílhavo.
O Sr. Capitão Armindo, tendo tido, a bordo, uma infecção no polegar da mão esquerda, originando um panarício, ia-o escaldando em água fervente, até que um dia, a sangue-frio, como a infecção cavalgasse, ele próprio cortou a falangeta do dedo para evitar o pior. Ao chegar ao Gil Eannes, para um tratamento mais cuidado, informaram-no que, se assim não tivesse agido, teria estado sujeito a ter de lhe ser cortada a mão. Meu Deus, até arrepia a coragem e a ousadia com que assim agiu!...
Igualmente através do Jornal de Pescador, de Agosto de 1970, p.9, confirmámos a existência de uma condecoração, que tivemos o prazer de observar.
No Dia da Marinha, a 8 de Julho de 1970, na presença do Almirante Tenreiro, o Ministro da Marinha, Almirante Pereira Crespo, condecorou os capitães-pescadores Armindo Simões Ré, Manuel Machado dos Santos e José de Oliveira Rocha, todos de Ílhavo, com a medalha Vasco da Gama, de criação recente, galardão exclusivamente do mar e cuja atribuição se ligava a feitos ou serviços praticados.
-
O navio-motor, de ferro, Vaz
-
Foi no Vaz que levara a bordo da Gafanha para Lisboa, a sua esposa e a filhota Arminda e, mais tarde, a neta adorada, Fernanda. Em ambas, permanecem recordações inesquecíveis, que vim avivar com estes Homens do Mar – rememoram a novidade da viagem marítima, o gosto pela convivência a bordo com a tripulação, os seus albaióis (hoje, jardineiras), que as fazia parecer uns pequenos marinheiros a bordo, o conforto do salão de oficiais com as suas caminhas improvisadas com cadeiras e cobertores, o cheiro do pequeno-almoço, servido por moço de casaco branco…
-
O Vaz, Cap. Armindo Ré e a neta Fernanda. 1964
-
A neta Fernanda reviveu ainda a situação do quarto do avô-pai – assim o tratava –. Recordou três enormes gavetões encimados por uma cama (o seu camarote), seguido da casa de banho e do gabinete médico; sempre em frente e do mesmo lado, a escada para a ponte (algures por ali estavam pendurados uns binóculos e um chapéu de farda).
Recordou ainda que, ao fundo do camarote e a meia parede havia um armário e, à direita e em frente à mesa de refeições, estava uma maravilhosa secretária repleta de objectos interessantes – réguas e esquadros, canetas e lápis, tabelas com números, livros de registo, etc…, com um grande candeeiro e uma cadeira. Lembra-se de ter ficado lá a escrever, a desenhar e a coscuvilhar (aliás, não se recorda que alguma vez o avô a tivesse avisado ou impedido de ver ou mexer nas suas coisas) … Nesse aspecto, teria sido mais como um irmão ou amigo com quem a confiança era máxima.
Gostava muito de ouvir o meu avô-pai – relembra a Fernanda – a explicar coisas do navio, da pesca, do tempo… ele gostava de ensinar e tinha uma paciência infinita… Assim recorda o Avô-Pai, a Fernanda, de além-mar, dos Açores.
Depois de ter deixado o mar, Armindo Ré ficou por terra, entre o carinho da família, alguns bons anos, não sem deixar de ir diariamente à empresa que ultimamente servira, após o que ia encontrar-se com alguns colegas, junto ao Bispo. Manteve esta rotina até à doença não permitir.
Acamado no último ano por problemas respiratórios, achava que seria levado por um navio, para uma viagem bem longínqua, eterna. E assim foi em 19 de Setembro de 1994, com 87 anos.
-
Imagens – Arquivo pessoal e gentil cedência de familiares
-
Ílhavo, 13 de Novembro de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

1 comentário:

Fernanda do Rosário da Silva Carvalho disse...

Homens do Mar são mais um magnifico trabalho de homenagem e preservação da memória do povo ilhavense!