domingo, 28 de abril de 2013

O triste fim do RAINHA SANTA

-
O Rainha Santa, um dos últimos navios-motores a ser construído nos estaleiros do Mestre Benjamim Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, para a firma Pascoal & Filhos, Lda., foi lançado à água no dia 15 de Março de 1961.
O navio, construído em madeira, tinha capacidade para 14 000 quintais de peixe.
O bota-abaixo aconteceu segundo os procedimentos habituais, mas já com bastante menos fulgor.

Embandeirado em arco…

Características – Comprimento, entre perpendiculares, 48, 91 metros, 10,47 de boca e 5, 35 de pontal. A arqueação bruta era de 829, 61 toneladas e a líquida, de 435, 33.
Albergava 21 tripulantes e 59 pescadores.
Foram seus comandantes, João Fernandes Parracho (o Capitão Vitorino), de 1961 a 1965, João José da Silva Costa (o Capitão Costinha), de 1966 a 1972  e António Tomé da Rocha Santos (o Capitão Tomèzinho), de 1973 até à data do incêndio.
Naquele período, a vida era bastante intensa no porto bacalhoeiro da Gafanha da Nazaré e, sempre que tocava a sirene, em Ílhavo, e constava que o incêndio era a bordo ou em alguma seca, uma tal correria despontava para lá, com interesse na observação do acidente.
 
Foi o que aconteceu no dia 25 de Fevereiro de 1974. Sireeeeene…toque de fogo!!!!!!!!!!! Incêndio no Rainha Santa! E numa debandada, muita gente acudia, num misto de curiosidade e pavor.


Incêndio a bordo…

Um grande incêndio deflagrou a bordo, devido a curto-circuito na casa das máquinas – era notório. Colossal azáfama – bombeiros das corporações de Aveiro e de Ílhavo, assistentes, curiosos – um corrupio.
Segundo informação colhida no momento, o navio, dificilmente poderia ser recuperado para a pesca e, sobretudo, para a campanha próxima, para a qual se preparava. Milhares de contos de prejuízo.
 
À época, não foi muito badalado o destino do navio. Abandonado no cais durante uns tempos, esteve perto de ser desmantelado, mas acabou por ser procurado por um empresário de Avanca, segundo informação colhida na zona, Sr. José Resende, que o adquiriu à empresa proprietária com a intenção de o preservar. Projectos destes nunca foram acessíveis.
 Acabou por ter sido recuperado parcialmente e ter feito, a reboque, as últimas milhas, através do Canal de Ovar da Ria de Aveiro, em inícios dos anos 80, tendo acostado junto ao chamado Monte Branco (Torreira), transformado em restaurante/bar.
 

Ei-lo, na Torreira…
 
Nos primeiros tempos, muitos milhares de pessoas acorriam para o visitar e o negócio lá se ia mantendo. No entanto, não teve a melhor sorte, o navio – foi adornando, a procura dos seus serviços foi diminuindo, os lucros também não teriam coberto as avultadas despesas, até que, em 1989, um pequeno incêndio na cozinha do restaurante quase ditara o seu fim.
O proprietário decidiu recuperá-lo, mas perdeu o fascínio que, outrora, tivera.
Uns meses mais tarde, cerca de 1990, um intenso clarão iluminou num fulgor as resplandecentes e calmas águas da ria e acabou por fazer desparecer o navio branco, no lugar do Monte Branco.
Ainda hoje, uns resquícios de estacaria carcomida e carunchosa foram falados e serviram de referência à colocação das bóias, por ocasião da última regata de moliceiros, nas festas do S. Paio.

Entre uma clareira, ao longe, o Rainha Santa

Na última imagem, em 1985, quando, à época, observava e fotografava o concurso de painéis de moliceiros, na festa do S. Paio, lá se avistava entre uma clareira de barcos, o Rainha Santa. Saltou-me de novo aos olhos, quando, mais uma vez, folheava Moliceiros – A Memória da Ria (2ª edição), p. 201, foto 157.
 
Imagens do arquivo pessoal da autora do blogue.
 
Costa Nova, 25 de Abril de 2013
 
Ana Maria Lopes
-

5 comentários:

Anónimo disse...

Sra. Dra: A história do "RAINHA SANTA" está muito bem narrada, conforme é habito da Sra. Dra.. Só um pequeno apontamento para ficar completa. Os capitães que comandaram o navio fora: João Fernandes Parracho ( o Capitão Vitorino) de 1961 a 1965, João José da Silva Costa (o Capitão Costinha) de 1966 a 1972 e António Tomé da Rocha Santos (o Capitão Tomézinho) de 1973 até à data do incêndio.
Boa noite e Rcmptos
J.David

Ana Maria Lopes disse...

Obrigada João David. Vindo de quem vem, agradeço muito. Mal possa, vou completar, no próprio texto.
Cumprimentos
Ana Maria

Luis Miguel Correia disse...

Mais uma página da fascinante história dos navios portugueses. Muito obrigado pela partilha de conhecimentos...
Cumprimentos do

LMC

Anónimo disse...

lembro-me bem deste navio porque fui o perito de seguros que fez a peritagem aos dois incêndios. O proprietário era um ex-emigrante de Bunheiro-Murtosa, com o ultimo incêndio só restou a madeira que estava abaixo da linha de água. Parece que se comia um bom bacalhau no restaurante, e aquando do primeiro incêndio havia também 7 ou 9 quartos que serviam de residencial.

armando santos disse...

Sra. Dra.
Será possível disponibilizar a matrícula e o código internacional de sinais?
E que máquina possuía? A Deutz de 660 hp ou a MAN de 800 hp?
Obrigada e bem-haja.
A. Santos