quarta-feira, 28 de novembro de 2018

A vinte e seis anos da exposição Faina Maior (1992)


-
Para que não vá ficando no esquecimento, apesar de sempre presente, fazem, exactamente, 26 anos, hoje, que se inaugurou a exposição Faina Maior – Pesca do bacalhau à linha, no nosso Museu, pelas 17 horas.

Com muita ansiedade, pompa e circunstância, o auditório, para um documentário prévio, encheu. O Museu encheu. Ílhavo estava ansioso por «entrar» na Faina Maior, exposição preparada há dois anos, com muito amor, dedicação, carinho, enlevo e trabalho, ao longo do litoral, nos secadouros ainda existentes, bem como em trabalho de gabinete e de experiência feito. Isso fez do MMI, o museu com o maior acervo de peças relativas à pesca do bacalhau, do país, e não só.

O prazo aproximava-se e dizia-me o Francisco Marques – Já temos cozinha, já temos leme, já podemos navegar – enquanto eu não me não me convencia muito, pois estávamos a uns escassos dias da inauguração e muitos pormenores havia para ultimar. Na derradeira noite, o museu não fechou – os mais noctívagos saíam, enquanto os mais madrugadores já chegavam.

A exposição constava dos seguintes sectores, documentados por folhas de sala escritas para o efeito: - o dóri, incluindo uma colecção de agulhas de marear e de zagaias, a escala, a salga, o convés, o convés da popa, incluindo uma colecção de formas de zagaia, a cozinha de bordo, o beliche e rancho, a câmara dos oficiais, incluindo as louças de bordo e farmácia, terminando com a secção de «ex-votos». Ocupava todo o rés-do-chão desmontado para o efeito, do edifício anterior ao actual.

Rememorando algumas imagens da grande exposição, que tantos frutos gerou, e, ainda hoje, é «o prato forte» do percurso expositivo do MMI. Há vinte e seis anos.
 -
O saudoso amigo Gaspar Albino e eu
 -
Capitães Francisco Marques e Fernando Mendes, entusiastas…
 -
Dóri aparelhado e colecções afins
 -
A secção da escala
 -
Preparando o aparelho junto a uma pilha de botes…
 -
Simulando a salga, no porão
 -
O ponto nevrálgico do simulado veleiro
 -
Beliche e rancho…
 -
E outros painéis teve, na impossibilidade de os recordar a todos.…
- 
Ílhavo, 28 de Novembro de 2018
-
Fotos – Gentileza de Carlos Duarte
-
Ana Maria Lopes-

Sem comentários: