quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Homens do Mar - João Fernandes Mano - 19

-
Capitão João Fernandes Mano
-
Como o mundo é pequeno e, às vezes, anda distraído…
Sempre fui conhecida e amiga da Senhora D. Maria Júlia Mano, viúva de Cândido Teles. Falava-me com frequência no feito heróico de seu Pai, contemporâneo de meu Avô, na pesca do bacalhau, mas, muito francamente, nunca liguei o nome à pessoa.
-
Agora, que pretendia integrar em Homens do Mar, para memória futura, o grande arrojo do capitão e tripulação do lugre Gamo, qual não é o meu espanto, quando ao procurar a ficha de inscrição no GANPB de João Fernandes Mano, de alcunha Agualusa, nascido em Ílhavo, (1884-1965), li que tivera como filhos, João de Oliveira Mano, Júlio de Oliveira Mano (já falecidos) e Maria Júlia O. Mano, a tal minha amiga, contemporânea de minha Mãe, ambas com a vetusta idade de 91 anos.

E vamos ao Gamo. Há mais do que um relato. Assim sendo, resolvi ler ambos, e usar, respigado, o que estará mais à mão, o do jornalista Costa Júnior, in Ao Serviço da Pátria – A Marinha Mercante Portuguesa na Iª Grande Guerra, edição da Editora Marítimo-Colonial, Lda. Lisboa, 1944.
-
Se a pesca do bacalhau já era, de si, tão dura, como todos sabemos, o ano de 1918 ainda conseguiu ser pior, pois, a ele acresceram os horrores e contrariedades da guerra submarina.
-
E relata
Costa Júnior:-
(…) Eram 39 homens que constituíam a equipagem do lugre português Gamo, que naquele dia 22 do mês de Agosto de 1918, se preparava par iniciar a viagem de regresso ao Tejo. O navio encontrava-se, fundeado entre os baixios Sunder e Nain Fathons, carregado com cerca de seis mil quintais de bacalhau salgado.
-
A ordem do Capitão de suspender a âncora teve de ficar adiada para o dia seguinte. A viagem, tão mal iniciada, parecia agora fazer-se, sem contrariedades e com vento de feição. Eis quando: (…)
-
No dia 31 de Agosto, navegando o lugre na latitude 46º 02’ N e longitude 32º 32’ W, o vigia assinalou pela amura de bombordo, eram 16 horas, uma embarcação de velas içadas, mas sem jeito de ser navio de vela, pois as tinha sem regra e mal colocadas. O capitão João Fernandes Agualusa pegou no binóculo para melhor ver o estranho barco que se aproximava, e mal o fizera, viu a explosão de um tiro, no mesmo instante em que uma granada assobiando a sua música macabra, passava entre o mastro da mezena e o mastro grande, rente à borda do navio, indo o projéctil cair a cerca de 100 metros de distância.
A tripulação do Gamo não tinha dúvidas quanto ao tipo de visitante – um submarino alemão camuflado.
Imediatamente, o capitão, sem perder a serenidade, mas sem forças para lutar, rendeu-se à evidência, enquanto um oficial alemão o informou que apenas tinham dez minutos para abandonar o navio, que ia ser afundado, sem dó nem piedade.
(…)
Treze dóris (…) foram preparados e lançados à água, cada um deles tripulado com três homens, e sendo cheios 14 barris de 50 litros de água – dois dos quais ficaram no dóri do capitão. Era um espectáculo digno de ver-se, o submarino pairando nas calmas águas e atracados a ele os treze dóris. Depois do interrogatório costumado, os dóris largaram do submarino enquanto deste, a tiros de canhão, afundavam o Gamo. Ao longe, era avistado um penacho de fumo. O submersível apressou-se a mergulhar, e desapareceu.
Até 1 de Setembro, pela manhã, nada de extraordinário aconteceu, rumando as cascas de noz em direcção a sul, com mar chão.
Eis que rebentou uma forte trovoada, acompanhada de vagas alterosas, que impediu a navegação aos pequenos barcos.
(…)
Mas o que até aqui estivera mal, às 17 horas tornou-se muito pior. Um forte escarcéu de mar rebentou, levantando os dóris a pino, e voltando quatro deles; os restantes nove ficaram rasos de água, que só a custo, e com muito trabalho e sacrifício, pôde ser esgotada. Dois homens agarraram-se ao barco do capitão e foram salvos e outros igualmente por outras embarcações, salvando-se nove homens dos doze que tripulavam os quatro dóris que se perderam. Nesse instante, não mais do que um segundo, todos os barcos perderam a aguada e mantimentos, e três homens perderam a vida.
Tendo avistado a 2 de Setembro os faróis de um vapor, fizeram-lhe pedido de socorro, que não foi atendido. Um dóri, tentando correr sobre o vapor, acabou por se voltar, perdendo-se 2 dos 3 marinheiros que o tripulavam. E cinco vidas já estavam perdidas, em condições tão agrestes e impiedosas.
Mais uma vez, o capitão, corajosamente, aproveitou para fazer ver aos seus homens que nenhuma embarcação se afastasse.
Não havia que comer, e por única bebida para todos os homens, um barril com cerca de 40 litros de água. Era preciso sair daquela situação – navegando.
O tempo melhorara, embora pouco, e foi resolvido correr com a vaga, ao sabor da forte ondulação. Assim, entre a vida e a morte, correram os náufragos do Gamo setenta milhas para sul.
No dia seguinte, a vaga era menor, os barcos corriam com as gibas içadas, mas cerca das 23 horas uma onda mais alterosa fez entrar um dóri dentro de outro, afundando-o. A muito custo, os seus tripulantes foram salvos pelas (…) restantes embarcações.
Nos dias 4 e 5 conseguiram os bravos tripulantes do Gamo navegar à vela. No último dia acabara-se a água, e a comida era coisa que não provavam, havia já muitos dias. Nos dóris reinava a fome e a sede.
(…)
Entrara o desânimo. Aqui e além avizinhavam-se prenúncios de revolta entre os náufragos, sem forças para suportar o peso enorme da sua tragédia. O capitão resolve então intervir e … mentir.
Mentir? Sim, mentir, piedosamente – dizer à tripulação que não estariam mais do que a 36 milhas da ilha do Faial, o que o piloto, João Maria da Madalena, corroborou.
A mentira surtira o efeito desejado, mas o pior seria no dia seguinte, pois em boa verdade a ilha do Faial estava afastada ainda, pelo menos 80 milhas. Que nova mentira seria possível inventar?
Entretanto, o tempo não pactuara com a mentira e tornara-se agreste e enevoado. Não se vendo o horizonte, os homens, desalentados, começaram a desconfiar do apelo do capitão, que, entretanto, fora interpelado.
(…)
«Terra à vista! Terra à vista! Estamos salvos!» – gritavam todos a um tempo, ao avistarem as ilhas Graciosa, Faial e Pico, tão claras que pareciam pintadas num quadro.
Mas, depois de ligeiros momentos de alegria, reviravolta nas emoções. Um calor intenso e as gargantas secas que nem fogo estaladiço! Eis que capturaram uma tartaruga, o que, por vezes, acontecia. Rapidamente degolada, largou o sangue para um sueste, aparado por um pescador. Tendo-o bebido de um trago, caiu inanimado. Só água salgada pela cabeça lhe revitalizou os sentidos.
(…)
O dia estava escaldante, o vento entrara em calmaria e ninguém tinha forças para remar. Os dóris, a remos ou à vela, avançavam a passo de formiga, impulsionados por aquelas vontades de gigantes, e às 2 horas, após titânicos, o barco do capitão conseguiu dobrar a ponta dos Capelinhos, acompanhado por mais três. Nos restantes, os tripulantes completamente exaustos, não tinham forças para remar, certos que morriam à vista de terra sem a poder alcançar.
O capitão procurava inutilmente um lugar para desembarcar. Lá avistaram os náufragos o farol de um barco fundeado, e para ali se dirigiram todos. Era a canoa dum tripulante com o seu proprietário a bordo, e antes mesmo de lhe pedirem qualquer indicação ou auxílio, os pobres náufragos só puderam pronunciar uma palavra: Água! … Água!
(…)
Tendo-os o proprietário refrescado imediatamente, conduziu-os a casa, perto de um pequeno porto. A família do honrado pescador açoriano ajudou os náufragos do Gamo a sair, conduzindo-os a um poço, onde beberam até fartar.
(…)
Era uma hora da madrugada quando o capitão João Agualusa, amparado pelo caritativo pescador, foi até à da cidade da Horta onde vivia a autoridade marítima, participar-lhe o ocorrido e pedir-lhe auxílio para o salvamento dos barcos que se encontravam ao largo – sem que os seus tripulantes tivessem forças para se aproximar. Uma hora depois, saía da doca uma lancha a motor, em serviço na Capitania do Porto, fazendo rumo à ponta dos Capelinhos. Foi encontrado um dóri, que seguia rebocado por um barco de pesca que o socorrera, e mesmo sem acostar, o Patrão Mor atirou-lhes alguns pães e um garrafão de água; a viagem prosseguiu para rodear a ilha, e às cinco horas outro dóri foi encontrado, também já a reboque dum pesqueiro.
Continuou a busca dos restantes náufragos que durou toda a madrugada e toda a manhã, sem maior resultado, cruzando o mar em todas as direcções.
(…)
Em momento de tristeza, todos imaginavam os seus camaradas perdidos para sempre. Mas, entretanto ao passar a lancha junto ao porto de Castelo Branco, um homem gesticulava com desespero e ansiedade. Aproximaram-se e ouviram:
Os náufragos que faltam já estão todos em terra. O dóri do senhor piloto (João Maria da Madalena) arribou na costa norte, na praia do Almoxarife, e foi um automóvel buscá-los…
Satisfeitos com a notícia, os passageiros da lancha da capitania continuaram em direcção à doca, onde chegaram perto das 16 horas. No cais o bravo capitão João Fernandes Mano Agualusa era aguardado pelas autoridades e muito povo, cada um à porfia querendo saudar e homenagear o heróico comandante do Gamo que, comovido e envergonhado, não sabendo o que tinha feito para merecer aquele acolhimento carinhoso, chorava, as lágrimas caindo-lhe em grossas bagas pela cara abaixo. Quem, no momento de perigo defendera a vida de todos, e se portara como um valente; quem praticara feitos dignos dos velhos marinheiros portugueses que esmaltam de glória páginas antigas da história, chorava de comoção, envergonhado desse momento final de fraqueza. Disse depois: parecia-lhe que chorava de alegria por ver os seus homens salvos …
Passados dois dias foi encontrado o oitavo dóri pela lancha baleeira Amaral, que o trouxe a reboque para a doca do porto da Horta. Salvaram-se 34 dos 39 náufragos que tripulavam o bacalhoeiro Gamo, tendo aportado ao Faial em 8 pequenos dóris, navegando esses botes, quase sempre sem comer nem beber, 470 milhas à vela, a remo e a correr com as vagas.
E assim Costa Júnior acabou o relato, que burilei, provavelmente baseado, na narrativa escrita na primeira pessoa, por Capitão e Piloto do Gamo, a bordo do lugre Sílvia, aos quatro dias do mês de Julho de 1924.
Era este o feito heróico, a que a filha do capitão sempre se referia, mas eu, nessa altura, desconhecia-o.
E já agora, que lugre Gamo seria este?
O lugre-patacho Gamo foi construído em Inglaterra, no estaleiro de Ed. Tayport, tendo sido dado por concluído durante o mês de Março de 1874. Foi inicialmente baptizado com o nome Reindeer, propriedade de W. Thomson, que teve o navio matriculado na praça de Dundee.
Colocado à venda em 1885, foi comprado pela firma Bensaúde & Cª., por 3.150 000 (três milhões, cento e cinquenta mil réis) e registado nos Açores.
Em 1891, com a transferência da empresa Bensaúde & Cª. para Lisboa, o navio passou desde então a navegar registado em Lisboa, mas, à época, sob propriedade da recém-formada Parceria Geral de Pescarias.
No registo de 1899 o navio já se apresentava armado em lugre. Todavia, a informação parece incorrecta, com base na foto, abaixo, da Ilustração Portuguesa, de 1907, onde o navio foi retratado com aparelho de lugre-patacho. No entanto, é possível que o navio tenha, de facto, sido armado em lugre, muito provavelmente durante o período entre 1911 e 1913.
-
O GamoIlustração portuguesa de 1907

Uma informação complementar relativa a 1902, permite constatar estar a navegar equipado de 42 tripulantes, com 32 canoas, passando alguns anos depois a dispor de uma equipagem à volta dos 35 tripulantes, com o mesmo número de canoas. A partir da lista de navios de 1909, já é possível verificar que o navio mantém valores, esses, confirmados pela lista de 1914. Nesta lista, o Gamo apresenta 38,90 metros de comprimento, 7,10 metros de boca e 4,04 metros de pontal.

Mas muito mais terá unido estes dois capitães, o meu avô Pisco e João F. Mano (Agualusa).
No jornal da terra, pescámos que o nosso capitão comandara o lugre Laura, que, mais tarde, viria a ser o Cruz de Malta, entre 1921 e 1925. Nos mesmos anos, comandava o Avô Pisco, o lugre Silvina, bem bonito, ali, em foto de época de Henrique Ramos, a exibir o pano a secar, ambos pertencentes à Empresa de Navegação e Exploração de Pesca, Lda., da praça de Aveiro.
-
Ao fundo, supõe-se ser o lugre Laura

No mesmo decénio de 20, dá-o como capitão do lugre Sílvia, em 1928 e 29, também da praça de Aveiro.
Ao consultar a sua ficha do GANPB, que considero credível, esta atribui-lhe uma viagem como capitão no lugre Pescador da praça da Figueira da Foz, na campanha de 1937, de piloto no lugre Ilhavense II, sob o comando de Manuel Santos Marnoto Praia, na safra de 1941 e de capitão no lugre Florentina, pertencente à praça de Lisboa, nas campanhas de 1938 e 1942, o que não confere com o Ilhavense, jornal.
Admitamos que sim.
-
O lugre Florentina

Em referência que lhe foi feita, aquando do seu falecimento, consideraram-no um nauta destemido, tendo comandado vários navios, dentre eles a barca Foz do Douro. Comandou, exactamente, a célebre viagem, que teve como célebre passageiro, o almirante Gago Coutinho, com partida de Santos e chegada a Leixões em 31.3.1944. Utilizando o velho astrolábio dos navegadores do século XV, Gago Coutinho fazia todos os dias as medições astronómicas ao lado dos pilotos do navio, que se serviam dos modernos aparelhos, como o sextante e o cronómetro, tentando imaginar como teria sido a viagem ao Brasil, de Pedro Álvares Cabral.
-
Fotos – Arquivo pessoal e cedência da filha do Capitão
-
Costa Nova, 19 de Setembro de 2016
-
Ana Maria Lopes
-

3 comentários:

Senos da Fonseca disse...

Já não é a primeira vez que converso com a Ana, dando-lhe a minha opinião sobre este tipo de artigos. Sempre lhe disse que com algum trabalho poderia ir mais longe. E hoje foi. Foi exactamente ao encontro do que insistentemente Lhe tenho apontado. E a história ganhava outra força.
Gostei....Talvez Ela hoje perceba melhor o que lhe fui sugerindo.









vieira da silva disse...

Ana Maria:

obrigado por nos dar mais uma página que (continuo com a mesma opinião) fará parte do seu próximo livro.

Jaime Pontes disse...

Nunca me canso de ler estes artigos que a Dra Ana Maria aqui escreve ,pois como homem do mar presto homenagem aos homens que na altura muito dignamente com o Sr Capitão sempre no comando ,enfrentaram a dura realidade de com uns simples dóris navegaram dias e noites enfrentando maus tempos e ,melhor tempos ,assim conseguiram chegar a Porto seguro com Deus a guia-los ,fiquei deveras comovido ao ler mais uma história real ,como outras que aconteceram infelizmente e, que muitas vidas se perderam então ,vida dura a desses homens sei daquilo que falo ,outros tempos, que o tempo não apaga !!!