segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Uma janela para o sal - IX

-
Chagas de sal
-
– Ai moço de outrora, quão velha é já a tua história...
Foste tecendo as tuas memórias por essas praias salgadas, entre lamas e sal com os pés em viva chaga. Mas, são teus pés, teus braços e teus ombros, a força que recolhe e transporta esses brancos cristais.
Foste criado, educado e forjado pela intensa canícula, curado pela moira e endurecido pelo vento, tal como cristal de sal – e és tu já sal!
-


– Ai moço,
teu corpo moçoilo é belo – tenro, mas forte: teus músculos retesam, tua pele brilha, teus cabelos ao sol resplandecem. A beleza mora aí, nesse corpo e nessa alma – és um dom da Natureza.
E serás tu, já moço-homem, capaz de obter o teu sustento?
 
-
– Ai moço,
que ainda crês no saber ancestral e aprendes a faina do sal
Aqui te entregas à lida do rer, curvado a jeito, para com jeito colheres os virgens cristais com a rasoila e puxá-los pelos meios, para o meio, para o duro vieiro, arrastando-os por esse caminho que leva ao tabuleiro.
Aí o amontoas em pequenos montículos de sal e o deixas a escorrer as moiras.
-
– Ai moço,
quão branco e amargo é esse oiro que acabas de rer e que escorre entre teus pés acabados de nascer...
Mas é assim que te entregas à marinha, que é mãe e rainha – a ela, que te ensina e dá o pão.
 

– Mãos de moço-homem és, rasoila! E é com ele que, todos os dias mergulhas na moira, e te arrastas por essas praias de sal num vaivém interminável.
São ambos matéria que se curte e entranha em duro ambiente, entre elementos de água, sol e vento – entre o sal.
 

– Ai moço,
quão belo, mas cruel é esse salgado que te rouba a inocência, que te corrói o corpo e a alma, mas que te dá o pão da vida e te faz homem – são as «chagas da vida», dizem...
Ao tempo, com o tempo, curtes a tua cútis, endureces-te e moldas-te ao sal – só assim sararão essas feridas que agora tingem, de vermelho, o branco sal.
É esse sal que escorre entre teus pés, que te salga, te corta, te marca, te retesa essa pele de tenro menino e a enruga antes do tempo, curtindo-a de bronze salgado.
-
A seu tempo, moço, «homem de sal» serás!
_______________
 
Nota – Para esclarecimento de linguagem técnica, consultar GLOSSÁRIO de Diamantino Dias.
-
Imagens | Paulo Godinho | Anos 80
 -
31 | 07 | 2013
-
Texto | Etelvina Almeida |Ana Maria Lopes
-

1 comentário:

Maria Emília Castro disse...

Que lindo! Fotografias belíssimas e o texto está um primor!