sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Jorge Godinho - Coimbra




Logo pela manhã, ao abrir o Diário de Aveiro, enquanto tomava o pequeno-almoço, deparei com uma crónica de Naia Sardo: Jorge Godinho – Coimbra.

Imediatamente a li e gostei. Não contava. Fiquei sensililizada. E este é o mês, em que todos temos um bocadinho da “criança” que fomos. E muito mais, quando temos netos – crianças, para quem fazer passar estas sensibilidades.

Achei que Naia Sardo disse o essencial de cada uma das homenagens dedicadas a Jorge Godinho, o guitarrista, o Professor, o Amigo, o Homem – em Coimbra, terra onde nasceu e Aveiro, terra onde ensinou e despertou muitos jovens para a vida.


O afecto falou mais alto e resolvi editá-la no blog, que, por hoje, “repousa” das Marintimidades.

Em jeito de balanço, estes tributos excederam as minhas expectativas; já tiveram alguns dos efeitos por mim idealizados e continuarão – estou certa – a cumprir esses meus intentos.

É com emoção contida que converso com algumas pessoas que se me identificam, quase a custo, como tendo sido seus discípulos ou explicandos. Pelo que me confessam, foi um Professor e um Amigo que os marcou pela positiva, de uma humanidade e um espírito de camaradagem, que, eu própria, não tive tempo para conhecer profundamente.

E, coincidência das coincidências, o nosso neto mais velho, o Jorge, completa hoje dez anitos.

A crónica do Diário de Aveiro foi, para mim, uma espécie de presente de aniversário, de Natal, o que lhe queiramos chamar, que abri e li com desvelo e transmiti com ternura.

Obrigada mais uma vez a todos os amigos, que me ajudaram a cumprir este objectivo, pela colaboração prestada, ou apenas pela presença significativa.

O Grupo “Raízes de Coimbra”, em actuação

Placa comemorativa no ISCA – UA, à entrada da Sala de Professores



Fotografias – Arquivo pessoal da autora

Ílhavo, 12 de Dezembro de 2008

Ana Maria Lopes


2 comentários:

Marieke disse...

Boa noite Ana
É sempre muito bom..notarmos que os nossos entess queridos são recordados.
É talvez o espírito de Natal que nos faz ficar mais melancólicas.
Um abraço
maria

João Reinaldo disse...

Como alguém disse um dia ...

"Os mortos serão chorados
se os vivos o não merecerem !"

Parabéns ao Jorge Júnior.
JR